Rally de Inverno 2013… Mais uma vez!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Novamente no mesmo local, a colaborar com a ABTFOTO, onde as grandes diferenças foram:

-  Registei a 1ª passagem na Rampa de Figueiró dos Vinhos ( invés da 2ª )

– Canon 7D vs 450D.

-  Resolvi dar uma oportunidade à Sigma 120-400…  

Em relação ao primeiro ponto, e dado que se trata de uma “prova de regularidade”, os pilotos arriscam mais, em busca do melhor tempo, enquanto que na 2ª passagem estão limitados pelos tempos feita aquando da 1ª passagem. Isso por si só proporciona um melhor espetáculo e uma maior probabilidade de “melhores” registos. Outro beneficio é a hora a que passam os concorrentes. O ano passado fiquei na 2ª passagem e quando dei por ela era noite, e, além do frio de morrer, os registos foram no mínimo miseráveis. Aliás ainda falta encontrar a fórmula ideal para fotografar à noite, algo em que já ando a trabalhar.

Em relação à Canon 7D, portou-se lindamente, ainda mais com a crescente experiência que vou tendo com a mesma. Outro fator importante é estar a utilizar a sensibilidade AI SERVO de forma correta! Digo-o porque nas primeiras provas usava uma configuração mais lenta e focava antes de tempo e depois ficava admirado porque tinha o fundo focado e não o carro…  Ainda no capitulo da 7D… o Auto-ISO. E aqui faço um pequeno aparte: Quando comecei a usar DSLR’s era fanático dos modos manuais em tudo… queria ter controle de tudo e mais alguma coisa, e achava que em todo o tipo de fotografia teria tempo para controlar todas as variáveis. Não podia estar mais errado! À medida que vou registando eventos de desportos motorizados, mais sou apologista que um automatismo por outro, se existe.. deve ser usado! Em condições de luz variável, o auto-ISO liberta-me o trabalho de estar abaixo do valores ideais de exposição.

Em relação à Sigma, com monopé ( os seus quase 2 kg cansam qualquer um ), portou-se lindamente no capitulo da focagem ( poucas vezes falhou a focagem ), e apenas tenho apontar a suavidade “excessiva” na abertura máxima ( f/5.6 ), a 400mm e a partir dos 30~40 metros. Vai dando para o trabalho, mas cada vez mais equaciono uma 70-200 2.8 para este tipo de fotografia, e um TC 2x para “substituir” a sigma nestas focais. Mas enquanto tal não acontece, a sigma vai dando conta do recado.

Agora a decepção do foi mesmo com a Sandisk. Faltava pouco menos que 10 concorrentes e até foi a minha filha que me chamou a atenção que a luz de leitura/escrita da 7D não parava…. Mesmo depois da prova tive que deixar a maquina ligada uns minutos até que parou. Já no PC, ia tendo um ataque quando o cartão, apesar de listar o conteúdo, não copiava. Não sei, mas lá à terceira tentativa copiei todo o conteúdo ( o que foi deveras stressante pois tinha timings a cumprir, e acabei por formatar o cartão. O cartão é rápido na maquina, mas já é a segunda vez que lhe dá um ataque de lentidão na leitura. Começo a perder a confiança na Sandisk…

Reportagem Completa na ABTFOTO

Paulo M. F. Pires

Anúncios

Rally Verde Pino 2012

Era com alguma “ansiedade” que eu esperava por esta prova, pois a mesma iria testar os meus limites ( e talvez os da máquina ) por se tratar de uma prova de 3 dias completos. No final apenas o carro cedeu ( travões )… nada que uns discos/pastilhas novos não resolvessem, e não, não participei na prova. Prova organizada pelo NDML, onde realço a excelente colaboração no acesso aos locais.

Rally Verde Pino 2012Como colaborador da ABTFOTO, fiquei de cobrir no 1º Dia, a prova no kartódromo dos milagres, e de seguida registar a Rampa de Figueiró dos Vinhos. O pior do 1º dia, e apenas no 3º dia melhorou foi mesmo o tempo, pois choveu imenso, com algum vento, e frio à mistura. No kartódromo fiquei na curva que antecede a entrada das boxes, e não fosse a chuva e seria um spot muito interessante para a 24-105L ( a chuva não permitiu muita velocidade durante a prova e só os mais arrojados arriscavam um andamento acima da média ). Nem mesmo quando um dos participantes quase veio ter comigo, fez com que eu mudasse de ideias quanto ao spot escolhido. De qualquer forma, permitiu umas boas fotos, com o carro a encher o frame, que ficaram tanto do meu agrado como da maior parte dos "pilotos”.

Finda a prova no kartódromo, pouco mais fiz que comer “qualquer coisa” pelo caminho, e arrancar para Figueiró dos Vinhos, para chegar antes do 1º participante ( teriam que fazer ainda duas rampas, Porto de Mós e Fátima ). Já na Rampa, fiquei indeciso sobre a utilização  da sigma 120-400 no mesmo spot onde registei o rally de inverno, mas como a lente não é WS, e tudo fazia crer que ia chover, subi um pouco a rampa e fiquei num spot “parecido”, e apenas não contei com um detalhe: era uma saída de uma curva Rally Verde Pino 2012rápida, o que me fez perder alguns registos por não ter a velocidade adequada na maquina ( ou não poderia selecionar mais ). Assim optei por mudar de spot, e registar de frente , já depois da saída dessa curva, de forma a apanhar os carros mais devagar, e registar algumas traseiras ( um tipo de composição que me agrada mais, mas não tem muitos adeptos ).

O 1º Dia terminou com a seleção das melhores fotos por piloto e o envio para a agência. É nestas alturas que dou valor a quem faz reportagens e tem que entregar o trabalho na hora.

No 2º Dia fiquei de registar  uma das provas surpresa, Rampa de Monte Alto – Arganil, e a surpresa começou por um engano nos horários, e lá aproveitei para recuperar umas horas de sono…

Escolhi a ultima curva antes da recta da meta, que permitiu fazer uns registos mais alusivos à paisagem, mas sem granes margens de manobra, pois era um spot escuro, e chovia a potes. Também foi um daqueles raros momentos em que mudei de ideias quanto ao meu posicionamento, e fiquei 2 metros ao lado do ponto inicial, e verificar que o carro nº 4 “aterrou lá”.. Pelo que me apercebi, todos os Porsche 911 Turbo, clássicos perdiam o controle da mesma forma naquela curva.

No fim, foi correr para Pombal, escolher as melhores, e correr para a prova no Kartódromo dos Milagres às 22:00. Efetivamente já não chovia, mas a relva tinha geada, tal como os tejadilhos do carros. Mais uma vez fiquei limitado pelo flash ( sem HSS ), e tenho que deixar de fazer provas à noite até arranjar um que esteja à altura.

Falando em “estar à altura”, a Canon 450D mostrou ser mais “robusta” e “resistente às condições climatéricas” do que muitos afirmam. A dada altura verifiquei que tinha a maquina toda “molhada” e nem sequer chovia… possivelmente condensação causada pelo frio. Aqui convém realçar que, após a prova, tive em 1º lugar, o cuidado de passa um pano pela maquina/lente, e de viajar com ela, fora da mala, e com o ar do carro no frio. Já me casa, nova limpeza, com grip fora, e ficou a arejar num local sem humidade. Tudo isto para evitar que houvesse condensação no sensor, tal como, evitar acumulação de humidade nos componentes. Ou seja, até podemos abusar das temperaturas a que sujeitamos o equipamento, mas devemos evitar alterações de temperaturas extremas ( exemplo : tirar do frio e colocar dentro do carro com o ar quente ligado ).

O meu 3º Dia começou em frente ao mal fadado Estado Municipal de Leiria, onde a NDML improvisou o circuito para a ultima e derradeira prova do Rally. Como já tinha um colega para ajudar no evento, e o circuito tinha espaço suficiente, resolvi utilizar a sigma 120-400, inicialmente com monope, e mais tarde handheld e OS em modo 2, porque ou por falta de jeito, ou por falta de experiência, não estava a atinar com o monope. Pelo registos que fiz, gostei dos resultados finais, e resumo os handicaps da mesma para este tipo de fotografia aos seguintes:

– Tamanho e Peso

– 120mm do lado wide ( em APS-C )

Porque senão era uma boa lente para utilizar até um dia adquirir uma 70-200.

Em jeito de resumo, com 70 e tal participantes, o balanço foi positivo, tanto no que respeita à prova em sim, como no trabalho de reportagem para a ABTFOTO. Foi cansativo, mas valeu a pena, em todos os sentidos.

No mesmo dia, ainda registei uma prova, não integrada no Rally, mas organizada pela NDML: Slalom Circuito Cidade de Leiria, que ficará para um próximo artigo.

Algumas fotos do evento.

Rally Verde Pino 2012Rally Verde Pino 2012Rally Verde Pino 2012

Rally Verde Pino 2012

 

Fotos disponíveis para os intervenientes AQUI

Paulo M . F. Pires

Rally Vidreiro–Campeonato Open 2012

Se estive presente pelo 3ª ano consecutivo, na  3ª Prova a contar para o Campeonato Open de Ralis de 2012, organizada pela Escuderia de Castelo Branco, em Castelo Branco ( Rally de Castelo Branco ), não poderia deixar passa em branco o Rally Vidreiro, organizado pelo CAMG ( Clube Automóvel Marinha Grande ) . Aproveitei o facto de a prova só se realizar à tarde, com o 1º Rally Vidreiro 2012concorrente a arrancar às 14:40, para divulgar e vender algum trabalho impresso com fotografias da prova anterior. Foi a minha 1ª experiência neste tipo de abordagem, e se houve aqueles que me facilitaram a tarefa, outros houve que se mostraram pouco receptivos com o meu trabalho.

Mas de uma forma geral foi uma ótima experiência, porque permitiu obter um feedback global sobre o trabalho que me ajudará em futuras provas, sem descurar da minha “assinatura” em desportos motorizados.

Esquecendo um pouco o trabalho de reportagem fotográfica, foi muito interessante o dialogo com alguns pilotos, que mostram uma enorme modéstia para com as pessoas que os abordam.

Mais uma vez ouvi queixas sobre o preço das inscrições, o que parece ser um problema generalizado nas provas motorizadas em Portugal, e se nada for feito de futuro, e com o decrescente numero de participantes em cada prova, prevejo a extinção de algumas “categorias” ou até mesmo de alguns provas. 

Em relação à organização excelente q.b., no loca, mas fiquei um pouco decepcionado com a pouca informação disponibilizada antes da prova, principalmente no que respeita a mapas de acesso às PEC’s.

Por outro lado a autoridade presente ( mesmo compreendo a posição deles ) mostraram diferentes critérios no acesso a determinadas zonas, e até mesmo algum comportamento anti-fotógrafos… Eu que primo pelo diálogo, fiquei deveras decepcionado com a atitude de um superior, que literalmente me expulsou de uma área alegando que, mesmo com a credencial, isso poderia fazer com que o publico tivesse a tendência a colocar-se no mesmo local. Qual o meu espanto que durante a passagem, o mesmo superior deixou o publico ficar nas zonas proibidas e nada fez para os alertar.

Sou apologista que, se possuímos credencial da organização, tal como estamos cientes dos perigos deste tipo de trabalho, deveríamos ter um regime mais “aberto” nos acessos.

Em relação à prova, o piso estava escorregadio ( pouca chuva e alguma lama ), o que permitiu algum espectaculo na zonas das matas nacioanais.

Vencedores

1º Fernando Peres / JP Silva – Mitsubishi Lancer Evo VII 33m09,7s
2º João Barros / António Costa – Citroen Saxo Kit-Car a 43,4s
3º Carlos Martins / Anibal Martins – Mitsubishi Lancer Evo VI a 43,8s

Em relação à “reportagem” em si, correu bem de manhã ( pelo spot escolhido ), e depois a má opção no spot seguinte com a utilização de flash. É imperativo investir num flash com HSS para as situações em que pretendo usar “fill flash“ a 45º…

Algumas das fotos do evento:

Rally Vidreiro 2012Rally Vidreiro 2012Rally Vidreiro 2012

Fotos disponíveis para os intervenientes AQUI

Paulo M . F. Pires